Conectar conosco

Economia

Bolsonaro faz discurso de esquerda na Ceagesp

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Bolsonaro foi a Ceagesp hoje inaugurar um relógio, fazendo uma enorme aglomeração com ele sem máscara e todos no palco, e muitos no público, enquanto a pandemia, que eles diz estar no “finalzinho”, cresce exponencialmente.

Bolsonaro, contrariando os discursos liberais de campanha falou ao público lembrando, sem por nem tirar como o ex-presidente Lula. Populista, corporativista, socialista. Foi um discurso PURAMENTE DE ESQUERDA. Por votos vale tudo né? e ele está desesperado por eles, já que a “CMPF” nova não sai para pagar a versão do bolsa-família que ele precisa antes de 2022.

Não assistiu? fica aí o vídeo, só não se engane, é Bolsonaro sim, não é Lula [apesar que só o nome difere].

Continue lendo
Publicidade

Economia

Mais impostos para Brasileiros, menos impostos para estrangeiros

No mesmo dia que Bolsonaro promove isenção de impostos para importação de armas de fogo, beneficiando empresas estrangeiras, Paulo Guedes volta a falar em acabar com subsídios à empresas brasileiras, ou seja, mais impostos para para essas empresas.

Bolsonaro, o “patriota” e suas “prioridades”.

Continue lendo

Economia

Bolsonaro quer importar arroz e prejudicar produtores brasileiros

Diante do aumento de preços nos produtos básicos, entre ele o arroz, Bolsonaro decidiu que vai importar arroz para forçar a redução do produto no Brasil. Essa medida populista, que lembra os governos petistas/dilmistas [todo o governo de Bolsonaro é similar aos dos petistas, nas coisas morais, éticas, legais, ilegais e nas que não são assim], vai acabar prejudicando produtores brasileiros de arroz [forçando a baixa] que vêem com esse aumento uma forma de recuperar com exportações as perdas passadas.

Bolsonaristas batem palmas [exceto os bolsonaristas que produzem arroz – que talvez deixem de ser bolsonaristas] ignorando as críticas que fazem aos governos estrangeiros que tomam tal estratégia prejudicando outros países [não o deles como é o caso], como a China [ignoram o EUA – geralmente com a soja].

Apesar de ser tradicional na culinária brasileira, as pessoas podem aprender a substituir o arroz com outros produtos que não tiveram aumento, sem consequências à saúde, da pessoa e da economia do país [que tem reflexos diretos na saúde econômica e biológicas dessas mesmas pessoas]. Se eles querem pagar caro pelo nosso arroz, agora, deixe que paguem [ou parem de reclamar de ações semelhantes quando a venda é para o Brasil] e aguardem o mercado voltar ao normal, a própria redução das vendas dentro do país vai garantir isso.

Claro que eles, e os produtores, sabem que essa alta não é algo que vai se manter, não precisa de tal atitude [ou será que Guedes não sabe e age como Ciro Gomes jogando números ao vento? ou mais uma vez se cala e se rende ao populismo de Bolsonaro que jogou nele a culpa de não conseguir apoio no congresso para aprovar novo imposto e então atrasar o lançamento do Bolsa Família Bolsonarista turbinado com dinheiro do cidadão economicamente ativo?]

Bolsonaristas que compartilham teorias loucas de conspiração no “zap do Bolsonaro”, mesmo sendo boa parte do que compartilham ações criadas pelo próprio Bolsonaro, não conseguem [querem] perceber uma coisa tão básica, clara, transparente [que nem se enquadra em teoria pois já são fatos], simplesmente porque se comportam como os petistas, que continuam a xingar, chamar de comunistas, socialistas, enquanto o governo [aliado aos corruptos que antes xingavam], toma atitude essas ações comunistas/socialistas.

Continue lendo

Economia

Banco do Brasil vende carteira ao BTG Pactual por 12% do valor

O Bando do Brasil está tendo de se explicar porque vendeu uma carteira avaliada em R$ 2.9 bilhões por apenas R$ 371 milhões ao Banco BTG Pactual.

Tudo acontece quando há uma debandada de integrantes de alto escalão de órgãos ligados ao Ministério da Economia [que nega] mas é reforçado pela declaração de ontem do atual presidente do BB, Rubem Novaes, que pediu demissão e vai sair ao findar o mês de julho. Ele disse “não se adaptar à cultura de privilégios, compadrio e corrupção em Brasília.

Ou seja, nada diferente da época petista.

Continue lendo

Trending