Connect with us

Justiça

STF decide contra a Lava Jato

No julgamento de hoje no STF, considerado por alguns como o fim da Lava Jato, o  Supremo Tribunal Federal decidiu que crimes como corrupção e lavagem de dinheiro devem ser julgados pela Justiça Eleitoral quando há conexão com delitos eleitorais.

A força tarefa do Ministério Público, chamada de Lava Jato, que era contra  o pedido acredita que isso pode praticamente tornar inviável sua atuação daqui para frente, como também nos processos já julgados que podem ser revertidos em favor dos criminosos, que comemoraram o resultado.

O ministro Roberto Barroso foi certeiro ao dar seu voto quando lembrou que a Lava Jato só consegue os bons resultados que finalmente estão levando corruptos ricos e políticos para cadeia, justamente por estarem numa força tarefa especializada apenas para aquele fim, o que não acontecia em outros casos e menos ainda nos tribunais eleitorais que, como exemplo dele, muitas vezes possuem apenas um servidor.

“… Eu fico mais triste ainda ao constatar que uma parte relevante da sociedade acha que o Supremo embaraça as investigações…“, disse Barroso.

Com certeza uma parte ainda maior que antes vai acreditar nisso a partir de agora.

 

Votaram para enviar os processos para a Justiça Eleitoral:
– Dias Toffoli;
– Marco Aurélio Mello;
– Alexandre de Moraes;
– Ricardo Lewandowski;
– Celso de Mello;
– Gilmar Mendes.

Votaram para manter os processos:
– Edson Fachin;
– Luís Roberto Barroso;
– Rosa Weber,
– Luiz Fux;
– Cármen Lúcia.

As celas da Polícia Federal devem estar parecendo com final de copa, todos grudados de televisão e comemorando.

Leia mais: Estamos há poucos dias de ver o possível fim da Lava Jato?

 

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Justiça

CPI faz ligação entre Flávio Bolsonaro e lobby por casinos com Danilo Trento da Precisa

Eduardo Girão (PODEMOS), mesmo sendo considerado governista, trouxe informações importantes de uma ligação de lobby para liberação de jogos de azar na modalidade de casinos no Brasil.

Ao perguntar ao diretor da Precisa, Danilo Trento, durante a CPI da covid, hoje (23), ele questionou sobre Trento sobre os motivos de sua ida à Las Vegas onde, supostamente, estaria em contato com proprietários de grandes empresas daquela cidade, enquanto o congresso Brasileiro, com o empenho do PP (Partido Progressista – sócio do PT no mensalão), do atual chefe da Casa Civil do governo Bolsonaro, tenta aprovar a liberação de jogos semelhantes no país, que também tem o apoio de grandes “empresários do ramo religioso”, quase todos apoiadores do atual presidente.

Trento se negou à responder e na sequencia Girão comparou as datas com as de uma comitiva do Senado, paga com dinheiro público, onde foram o presidente da Embratur, Gilson Machado, atual ministro do Turismo, Hélio Negão e o responsável pelo pedido, o senador Flávio Bolsonaro, para conhecer o modelo daquela cidade americana com relação aos casinos.

Pouco antes, Trento se negou a comentar sobre a Xis Internet Fibra que, com apoio de Flávio Bolsonaro, conseguiu contato com o BNDS para tentar um financiamento público para essa empresa. Vale lembrar, que a viagem com agendas coincidentes ocorreu em janeiro de 2020, antes da pandemia, que “coincidentemente” durante a visita da Precisa à fábrica da Covaxin na Índia – em que também utilizaram as dependências do consulado do Brasil no país – foi que Bolsonaro ligou para o presidente daquele país para falar sobre a compra de vacinas que ainda não havia testes nem pedido de testes no Brasil, e que Trento negou ter algum relacionamento, anterior ou atual, com a família Bolsonaro.

São tantas coincidências e tantos “negócios” coincidentes entre pessoas da Precisa e a família Bolsonaro, antes e durante a pandemia, que é até estranho eles não pisarem um no pé do outro em algum país estrangeiro. Só isso já seria algo muito “estranho”, mesmo se não soubéssemos o restante da história.

Continue Reading

Justiça

Bolsonaro reconduz Augusto Aras para AGU, digo, PGR

Bolsonaro decidiu reconduzir Augusto Aras para mais dois anos na PGR, Procuradoria Geral da República, mesmo agindo ele como se fosse da AGU, Advocacia Geral da União. O motivo disse é porque a PGR é um órgão do Ministério Público, quem deve denunciar possíveis casos de corrupção no âmbito do governo federal, enquanto a AGU faz a defesa do governo.

Aras muitas vezes demorou ou deixou de abrir investigações contra membros ou ações do governo, só o fazendo quando pressionado, pediu arquivamentos de processos dos mesmos, algumas sendo ignoradas, mas mantidas e investigadas pelo próprio STF. Piorando por ser um dos principais agentes que ajudaram a sepultar a Lava-Jato. Antes mesmo de ser escolhido suas críticas à ela já eram conhecidas, talvez esse foi o motivo da escolha dele por Bolsonaro.

Talvez agora que Aras está mais longe agora da cadeira no STF aberta com a aposentadoria de Marco Aurélio Melo e talvez comece a atuar como um procurador e não mais parecendo um defensor.

Continue Reading

Justiça

Escolha perfeita: Bolsonaristas querem a juíza Ludmila Lins Grilo no STF

A  juíza Ludmila Lins Grilo tem ganhado muitos seguidores nas redes sociais após suas postagens [incompatíveis com a posição] em que critica as restrições, definidas em LEI, de saúde, que impediam festas. As postagens subsequentes ao pedido de um advogado que sua conduta fosse investigada pelo CNJ foram ainda mais “instigantes” aos novos fãs, já que o tom infantil do texto satisfez àquele público.

Concordância absosuta

O número de comentários em sua postagem sugerindo que ela fosse indicada à uma cadeira no STF foi o maior, e nesse ponto eu CONCORDO EM GRAU, NÚMERO E GÊNERO. A Exma Grilo tem o perfil ideal que combina com os integrantes atuais do atual Supremo e está bem próximo do perfil que seus novos fãs iriam gostar, já que o outro ídolo desses mesmos fãs escolheu Kássio Marques Nunes há pouco tempo.

Assim logo chegaríamos a primazia que tem o supremo tribunal venezuelano.

Continue Reading

Trending