Conectar conosco

Política

Sumido, Nelson Teich, da Saúde, até agora só tem proposta para acabar com isolamento, nada para tratar doentes

O novo Ministro da Saúde, Nelson Teich, que aparentemente não vê preocupação com a urgência de medidas que devem ser tomadas para diminuir os efeitos da pandemia, já que desde que assumiu apresentou literalmente NADA, parece estar interessado somente em satisfazer os anseios políticos de Bolsonaro, já que o pouco que falou foi no sentido de mudar as regras de isolamento.

Enquanto a maioria dos esforços de combate foram feitas por estados, pelo privado e sociedade, mas ainda não satisfizeram as necessidades já que ha uma falta enorme de equipamentos para profissionais de saúde e equipamentos médicos, como respiradores, Teich segue “nas sombras” como se a letargia que ele aparentava quando se pronunciou ao assumir não tenha acabado, e o pouco que tem se falado é que está tratando de “formas de saída do isolamento”.

Continue lendo
Publicidade
clique para comentar

Responda

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro quer importar arroz e prejudicar produtores brasileiros

Diante do aumento de preços nos produtos básicos, entre ele o arroz, Bolsonaro decidiu que vai importar arroz para forçar a redução do produto no Brasil. Essa medida populista, que lembra os governos petistas/dilmistas [todo o governo de Bolsonaro é similar aos dos petistas, nas coisas morais, éticas, legais, ilegais e nas que não são assim], vai acabar prejudicando produtores brasileiros de arroz [forçando a baixa] que vêem com esse aumento uma forma de recuperar com exportações as perdas passadas.

Bolsonaristas batem palmas [exceto os bolsonaristas que produzem arroz – que talvez deixem de ser bolsonaristas] ignorando as críticas que fazem aos governos estrangeiros que tomam tal estratégia prejudicando outros países [não o deles como é o caso], como a China [ignoram o EUA – geralmente com a soja].

Apesar de ser tradicional na culinária brasileira, as pessoas podem aprender a substituir o arroz com outros produtos que não tiveram aumento, sem consequências à saúde, da pessoa e da economia do país [que tem reflexos diretos na saúde econômica e biológicas dessas mesmas pessoas]. Se eles querem pagar caro pelo nosso arroz, agora, deixe que paguem [ou parem de reclamar de ações semelhantes quando a venda é para o Brasil] e aguardem o mercado voltar ao normal, a própria redução das vendas dentro do país vai garantir isso.

Claro que eles, e os produtores, sabem que essa alta não é algo que vai se manter, não precisa de tal atitude [ou será que Guedes não sabe e age como Ciro Gomes jogando números ao vento? ou mais uma vez se cala e se rende ao populismo de Bolsonaro que jogou nele a culpa de não conseguir apoio no congresso para aprovar novo imposto e então atrasar o lançamento do Bolsa Família Bolsonarista turbinado com dinheiro do cidadão economicamente ativo?]

Bolsonaristas que compartilham teorias loucas de conspiração no “zap do Bolsonaro”, mesmo sendo boa parte do que compartilham ações criadas pelo próprio Bolsonaro, não conseguem [querem] perceber uma coisa tão básica, clara, transparente [que nem se enquadra em teoria pois já são fatos], simplesmente porque se comportam como os petistas, que continuam a xingar, chamar de comunistas, socialistas, enquanto o governo [aliado aos corruptos que antes xingavam], toma atitude essas ações comunistas/socialistas.

Continue lendo

Política

Proposta de quarentena para juízes se candidatarem é tão ridícula que nem deveria ser comentada

O Ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, aquele que não conseguiu ao menos passar em concurso de juiz de primeira instância, mas que chegou à mais alta corte judiciária do Brasil por ter sido advogado do PT, sugeriu uma quarentena de oito anos para que juízes e procuradores possam se candidatar após deixarem a magistratura [quem tem dúvida que não partiu dele a ideia?] e que junto aos políticos [boa parte investigados por corrupção] ganhou apoio.

Um juiz não deixará a carreira para se candidatar depois de oito anos, enquanto um juiz aposentado não vai se candidatar devido à sua idade já avançada, ou seja, praticamente impede que sejam candidatos.

Dizem os apoiadores que isso impede eles que utilizem da função para ganhar evidência e mais tarde votos. Mas se a “desculpa” é essa então porque não proíbem a reeleição já que os políticos estão em cargos políticos e se candidatarão em cargos políticos [repetitivo? sim, para entender o quanto é absurdo].

Acha que pode ser pior, mais absurdo/ridículo? pode, se lembrarmos que eles, políticos, tem dinheiro público disponível durante seu mandato para “divulgar que estão trabalhando“, a tal verba para divulgação da atividade parlamentar.

Continue lendo

Justiça

Bruno Salles diz na CNN que Lava-Jato trouxe prejuízos ao Brasil

Durante o quadro Grande Debate, na rede de TV CNN Brasil, mediado pela jornalista Monalisa Perrone e Caio Junqueira, Bruno Salles, que discutia com a advogada Gisele Soares, disse literalmente e por mais de uma vez que a operação Lava-Jato trouxe prejuízos ao país, usando como “argumento” os dados de recuperação de valores dos crimes e os prejuízos que trouxe às empresas envolvidas nesses crimes.

Gisele Soares defendeu a Lava-Jato, o que não esperávamos, já que fazendo a defesa sempre intrínseca do governo Bolsonaro [que de combate a corrupção nunca teve nada – e olha que devem estar olhando positivamente o ataque de Aras] se esperaria que fosse também na linha de Bruno, claramente de esquerda [que como os bolsonaristas não gostam muito que se investiguem os crimes de quem simpatizam].

Salles chegou ao absurdo de dizer que ações como foram as da Lava-Jato criavam mais crimes.

Considerando a “lógica” de Bruno Salles, não deveríamos combater os crimes, como tráfico de drogas [grave como os crimes de corrupção] pois ele gera “empregos”, mesmo informais, suas “empresas/facções/cartéis” movimentam dinheiro também ilegalmente, pagam suborno e geram desigualdades e crimes associados.

Com certeza foi um PEQUENO debate, ou melhor, baixo debate.

Continue lendo

Trending